Crescimento da riqueza nos últimos quinze anos

Nos últimos 15 anos, Angola tem registado taxas de crescimento do produto interno bruto sempre positivas. 2005 foi o melhor ano de sempre com um crescimento de 15% e em contrapartida em 2015 foi o registou o desempenho mais modesto com 2,9%.

 

 

Inflação homóloga

O controlo da inflação tem sido uma das batalhas mais difíceis de vencer que tem estado de forma estrutural muito elevada. Em 2015, situou-se acima dos 14% e o valor mais baixo conseguido pelas autoridades foi em 2013 e 2014.

 

Balança corrente externa

A conta corrente externa de Angola estruturalmente demonstra a capacidade para gerar superavits. Não obstante os persistentes défices registados nas contas de Serviços, Rendimentos Primários e Secundários, o saldo superavitário da conta de Bens tem sido suficiente para contrapor os défices destas contas.

 

Balança corrente e de capital

A balança corrente e de capital registou nos dois últimos anos valores negativos, concretamente 3% e 8%.

 

Saldo orçamental corrente

Saldo Orçamental Corrente que corresponde à diferença entre as receitas e as despesas correntes tem demostrado um comportamento positivo. No último ano, ficou em 4,71% da riqueza produzida (PIB).

 

Saldo Orçamental Global (base compromissos)

O saldo orçamental global, que corresponde à diferença entre receitas e despesas orçamentais já comprometidas independentemente já ter ocorrido o corresponde fluxo de caixa (recebimentos/pagamentos). Como se pode constatar o défice tem aumentado nos últimos anos.

 

Dívida Pública Externa

No ano de 2000, a dívida externa de Angola estava perto dos 100% da riqueza produzida tendo sido reduzida para a casa dos 32,6% em 2015. Uma percentagem que representa de 48,3 mil milhões de dólares.

 

Dívida Pública Interna

Dívida pública interna de Angola, em 2015, representava representa 12,6% da riqueza produzida pelo país. O Governo tem lançado vários instrumentos financeiros por forma a captar as poupanças nacionais que atingiram o pico em 2009 ao representarem mais de 18%.